Entre nós, radioamadores, entre os profissionais da segurança pública e privada e mesmo por parte da população em geral, ainda há dúvidas se é proibido ouvir frequência de rádio da polícia e outros órgãos de segurança pública. Vejamos neste artigo alguns conceitos sobre as comunicações via rádio das forças de segurança.

Os rádios utilizados pelos serviços públicos e privados utilizam normalmente a faixa de frequências compreendida entre 137 MHz a 1,3 GHz.



·       De 148 a 174 MHz funcionam alguns serviços públicos e privados, como controle de trânsito, polícia civil, polícia militar nas cidades pequenas,  tráfego ambulâncias, navegação marítima comercial e pesqueira, empresas de segurança, etc.

·       De 174 a 216 MHz, estavam os canais altos de TV analógica em VHF, do 7 ao 13, serviço hoje desativado em quase todo o país.

·       De 216 até 430 MHz e de 440 a 470 operam outros serviços comerciais, e de 470 até 806 MHz estão os canais de TV em UHF, atualmente utilizados no sistema de TV digital brasileiro.

·       De 810 MHz a 1,2 GHz, funcionam sistemas de segurança com rádios e repetidores com o sistema trunk (digital), telefonia celular (voz e dados). Por volta de 1,5 GHz funciona o sistema de localização por satélites (GPS), de 1,5 a 1,8 GHz recepção de diversos tipos de comunicação e pesquisas.

Acontece que quase todos estes serviços transmitem de forma não codificada, ou seja, são comunicações abertas, facilmente captadas por qualquer radiotransceptor vendidos no mercado. Portanto, não há a possibilidade de alguém cometer um crime se não há invasão ou quebra de código para acessar. Assim, o fato de alguém ouvir uma frequência usada pela polícia ou outro órgão público não constitui crime necessariamente, com algumas exceções que são:


·       Divulgar comunicação de segurança;

·       Ouvir comunicação de segurança em locais públicos;

·       Interferir nas comunicações do serviço público;

·       Usar informações de segurança para fins pessoais e lucrativos;

·       E outros.

Há uma súmula do STF que traz o conceito de interceptação de rádio da polícia e outros serviços de segurança pública, quando o Tribunal julgou não haver crime em ouvir tais frequências. Uma associação de Radioamadores do Estado de São Paulo conseguiu a defesa de um de seus membros na justiça, assegurando que o mesmo não cometeu violação de telecomunicações, prevista no artigo 70 do Código Brasileiro de Telecomunicações, com referência a pratica de escuta e interceptação das radiocomunicações, principalmente da Polícia, Aviação, Corpo de Bombeiros e Serviços Públicos e Limitados em geral. Sendo livre tal escuta. O caso narrado aqui trata de um Radioamador licenciado para operar seus equipamentos de comunicação.

De qualquer forma, isso não autoriza alguém colocar um rádio na cintura e sair pelas ruas ouvindo frequência da polícia ou outras forças de segurança. Caso seja abordado pela polícia, tal pessoa com certeza será conduzida à delegacia para prestar esclarecimentos, e, nestas condições, certamente responderá por divulgar publicamente comunicações reservadas em local aberto, sem justificativa.

Embora a legislação ainda trate o tema de forma restrita, sem muito detalhes quanto à legalidade, o correto é que, para quem gosta de ouvir as frequências dos serviços públicos, não o faça em local aberto e nem tão pouco divulgue as informações. Ainda assim, para fins de direito, todo operador de rádio deve necessariamente obter a licença de operador junto á ANATEL. É proibido também instalar e usar equipamentos irradiantes (antenas) e aparelhos de rádio sem autorização dos órgãos competentes.



Por Izaías Sousa
Radioamador e Especialista em Segurança Pública e Privada


Adaptado por Alisson, PR7GA


10 Comentários

  1. No mais agora estamos próximos da resolução 523/568 que fazem com que todos mudem para o Digital DMR. Assim, com o digital acabou a mamata de copiar o Copom e saber tudo que a polícia estava fazendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa resolução foi revogada, duvido muito que até 2022 todos os órgãos públicos estejam em dmr, ainda mais agora na situação em q o país se encontra

      Excluir
  2. É eu gosto e sempre corujo todas as frequências, com o DMR vai ficar só a aviação.

    ResponderExcluir
  3. Eu radioamador,nunca saí das frequências autorizadas de acordo a minha classe.

    ResponderExcluir
  4. Eu entendo que conforme já dito acima, não se deve ouvir ou divulgar assuntos tratados nessas escutas, mas se quem ouve é radioamador licenciado, entendo que nada impede visto que o mesmo por uma questão legal, em caso de ser surpreendido em tais escurtas pode alegar investigação tecnica, conforme preve a legislação, é como vejo.. abs.sydney

    ResponderExcluir
  5. Eu não sou da classe de rádio amadores, mais sou funcionário público e sempre tive equipamento de rádio comunicação, ouço muitas frequências que são analógicas do serviço público.

    Mas pessoas de boa índole e com o devido licenciamento e conhecimento pode se ouvir em casa.

    ResponderExcluir
  6. Qual é a Súmula ou Jurisprudência que permite ouvir?

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante esse assunto abordado aqui; parabens.
    Visite sempre QSL do Brasil

    ResponderExcluir
  8. Gostaria de saber, se por acaso um rádio amador lisenciado pela ANATEL. Passar por uma nescecidade, exemplo for assaltado ele pode chamar a policia pelo rádio comunicador?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje em dia seria impossível tentar fazer isso, já que a quase totalidade das forças policiais utilizam rádios que transmitem em digital com sinal criptografado, não sendo assim tecnicamente possível "falar" com os policiais.

      Excluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

SIGA O QTC DA ECRA NO INSTAGRAM!