Por Alisson, PR7GA


Estamos em 2023 e, acima de todas as controvérsias e trending topics do Twitter/X e babados/mimimis/tretas das demais redes sociais de tempos em tempos, o assunto que marcará o ano que está se findando é a Inteligência Artificial e seu representante mais popular, o ChatGPT. Neste artigo não quero entrar no cerne da discussão sobre as questões filosóficas e éticas nem das preocupações em torno  da hipótese de extinção da humanidade que vêm a reboque quanto o assunto é lembrado, mas focar numa questão prática que envolve o Radioamadorismo e sua relação com a atual tecnologia que permeia nossas vidas, quer queiramos ou não.

Ultimamente tenho visto a divulgação de textos muito bem escritos do ponto de vista formal, simpáticos, de leitura fácil, publicados por colegas Radioamadores, mas que para quem é um pouco mais versado no assunto, rapidamente revelam algo preocupante. Seus autores não são seres humanos reais, mas alguma IA (inteligência artificial, daqui por diante) obscura que "sabe tudo mas não sabe realmente de nada", como todo robô.

O conteúdo desses textos contém muito pouca informação útil, no entanto essas informações estão imersas em puro lero-lero, tal como fazia o famoso personagem da Escolinha do Professor Raimundo, interpretado pelo saudoso humorista Rogério Cardoso, falecido em 2003. Se o problema fosse apenas esse, não estaria "perdendo" o meu tempo escrevendo a respeito. O real problema é que muitos desses textos contém informações incorretas e até perigosas. 

Embora a priori pareçam textos inocentemente produzidos para melhorar a compreensão dos leigos em assuntos complexos, na verdade escondem um real perigo para um hobby cujo objetivo, segundo a ANATEL e órgãos internacionais,


(...) é o serviço de telecomunicações de interesse restrito, destinado ao treinamento próprio, intercomunicação e investigações técnicas, levadas a efeito por amadores, devidamente autorizados, interessados na radiotécnica unicamente a título pessoal e que não visem qualquer objetivo pecuniário ou comercial. Fonte: https://informacoes.anatel.gov.br/legislacao/resolucoes/21-2006/93-resolucao-449


Notem os destaques em amarelo. Nosso hobby se baseia em adquirir conhecimento e difundi-lo. É nossa matéria-prima, a base para seu sucesso ao longo de mais de 100 anos de história no mundo. Tudo o mais gira em torno disso. Todas as atividades que um Radioamador pratica se baseiam nisso e é sobre essa base que nós radioamadores temos tantos privilégios do ponto de vista do espectro que nos é destinado e do que somos autorizados a fazer dentro deste espectro. Este ponto em particular, a razão de ser do Radioamadorismo, abordamos no artigo "Para que serve o Radioamadorismo? Uma reflexão sobre o que é ser Radioamador", disponível aqui: https://qtc.ecra.club/2022/11/para-que-serve-o-radioamadorismo-uma-reflexao-sobre-o-que-e-ser-Radioamador.html.

Assim como uma única maçã podre compromete a salada inteira, um pouco de falácia/equívoco/erro/mentira compromete o conhecimento inteiro. Assim, devemos estar alertas para detectar o uso oculto, indevido e irresponsável das ferramentas de Inteligência Artificial.


O compromisso do QTC da ECRA reafirmado e ampliado


Por esta razão, a difusão de textos "inocentes", porém rasos de conhecimento e, principalmente, que contém erros perigosíssimos, deve merecer toda a nossa atenção. Daí, decidimos escrever este artigo para reafirmar o compromisso que o QTC da ECRA mantém com a veracidade e rastreabilidade das informações aqui veiculadas. TODA informação veiculada neste site é verificada cuidadosamente e fontes confiáveis são sempre mencionadas/linkadas. Quando estas fontes não puderem ser verificadas, isto é sempre mencionado, de forma que o leitor poderá sempre verificar por si mesmo.

E, complementando este compromisso, a partir de agora todos os textos aqui veiculados trarão um "banner" relembrando que todos os textos publicados neste site são escritos e revisados totalmente por seres humanos e sem NENHUMA interferência de IAs como ChatGPT ou qualquer outra tecnologia existente ou que venha a ser inventada.




Naturalmente, erros podem ser encontrados aqui, mas os leitores podem ter a certeza que são o produto da mente do seu autor HUMANO e não um erro lógico do algoritmo que rege a escrita de alguma IA.

Como detectar textos artificiais



Não somos contra a tecnologia nem o uso responsável dela. Desde que sua real autoria seja claramente mencionada, um texto feito por IA não deve merecer nenhuma importância maior que um escrito por um ser humano. O problema é que alguns "autores" são desonestos, omitindo que seus textos são escritos por uma IA.

Estudos científicos vêm sendo desenvolvidos para encontrar formas de detectar quando um texto foi escrito por uma IA para tentar "pegar" essas pessoas que não são suficientemente honestas. Um deles foi feito por pesquisadores da Universidade do Kansas, nos EUA. 

O estudo foca na ferramenta ChatGPT e destaca algumas características comuns em textos produzidos por ele. Enquanto que escritores humanos tendem a produzir parágrafos mais longos, utilizar um vocabulário mais diversificado, utilizar mais sinais de pontuação e nortear suas afirmações com palavras como “no entanto”, “mas” e “embora”, o chatGPT tende a ser muito mais "raso", trazendo uma sensação de que está "enrolando". Porém, como indica este e diversos outros estudos, essa detecção é complexa, especialmente no campo da produção de textos científicos.

Por outro lado, textos gerais são mais fáceis de produzirem um "alerta mental" por pessoas acostumadas à escrita, assim como pessoas que lidam com cédulas de dinheiro no dia a dia têm maior facilidade de detectar uma nota falsa. Um texto escrito por uma (des)Inteligência Artificial pode ser rapidamente reconhecido por conter sempre algumas características básicas:

1. Gramática impecável e ausência completa de erros gramaticais ou de ortografia. São textos muito limpos, ao contrário dos textos produzidos por humanos, que podem conter erros ou falta de clareza, por exemplo.

2. Parágrafos geralmente de mesmo tamanho e uniformes, enquanto que humanos costumam variar em seu tamanho para enfatizar pontos específicos no texto.

3. Falta de aprofundamento. Textos feitos por IA trazem informações muito gerais e cuidadosamente espalhadas num texto artificialmente "inflado", como uma massa que aumenta de volume devido ao fermento, mas que no interior só tem ar.

4. Informações incorretas. Devido à falta de aprofundamento, frequentemente são feitas afirmações desconectadas da realidade e até flagrantemente erradas. Além disso, mesmo quando explicitamente solicitado a mencionar apenas artigos científicos reais, o ChatGPT descaradamente cita autores fictícios e artigos que não existem.

5. Frases parecidas. Uma IA geralmente constrói sentenças com pouca variedade de palavras, fazendo parecer alguém com pouco vocabulário.

6. Repetição de palavras-chave. Como as IAs imitam padrões previamente aprendidos, elas tendem a incorporar aos conteúdos que produzem. Por isso, há também a tendência de que repitam sempre palavras-chave.

7. Ausência de estilo. Talvez seja essa a característica mais notável. Como não possuem emoções ou experiências pessoais, IAs não conseguem expressar adequadamente essas características genuinamente humanas. Parecem ser genéricos e desprovidos de pessoalidade.

8. Estrutura "circular". Textos gerados por IA tendem a serem circulares. Geralmente constroem uma introdução geral, citam pontos para apoiar uma conclusão e a apresentam no final geralmente repetindo sentenças e remetendo novamente ao ponto inicial, na introdução.

O site TechTudo escreveu um artigo reunindo algumas ferramentas que tentam detectar uma autoria artificial em um texto. Confira aqui: https://www.techtudo.com.br/listas/2023/05/como-saber-se-um-texto-foi-escrito-pelo-chatgpt-veja-5-formas-edsoftwares.ghtml


VIVA o Radioamadorismo, feito por HUMANOS e para HUMANOS!


Receba em primeira mão as notícias publicadas no QTC da ECRA!

Se você usa Whatsapp, acesse ZAP.ECRA.CLUB
Se você usa Telegram, acesse TELEGRAM.ECRA.CLUB
Ou siga o QTC da ECRA no Twitter: TWITTER.COM/QTCECRA

2 Comentários

  1. Excelente artigo. A primeira vez que vejo alguém abordando esse tema de maneira tão inteligente. A maioria da população só aceita o que as grandes mídias "dizem" ser a tendência e engolem todo tipo de porcaria goela abaixo. A I.A. só dominara dependendo do grau de condicionamento das pessoa, como a maioria está debaixo da batuta das grandes corporações, basta nos unir e usarmos nossos cérebros para sermos menos manipulados pelo sistema que não quer que as pessoas pensem. Forte 73 macanudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pelo feedback, Alexandre. Infelizmente tive pouquíssimo retorno deste texto. Aparentemente as pessoas não ligam. Mas não todas. Forte 73.

      Excluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem