Por Robert V. Bolton. Traduzido por Alisson, PR7GA

Nota de PR7GA: Embora não concorde com certos pontos defendidos no artigo (o certo desprezo com relação às comunicações de emergência), considero uma excelente reflexão sobre como podemos expandir o radioamadorismo entre as novas gerações. Leia sem preconceitos. 73 de PR7GA.

Uma carta aberta a todos os radioamadores


“O Radioamadorismo está morrendo!” é algo que temos ouvido por aí com certa frequência. Porém, isso é uma meia-verdade. É inegável que grande parte dos radioamadores no mundo está hoje com cabelos brancos, na terceira idade. Já que não estarão conosco para sempre, naturalmente, novas pessoas devem assumir seu lugar. 

A boa notícia é que as licenças de radioamador estão aumentando. A má notícia é que as pessoas recém chegadas ao radioamadorismo hoje em dia não estão interessadas em ir além dos limites da tecnologia RF. Para ser franco, estou falando sobre sobrevivencialistas e aqueles interessados exclusivamente ​​em comunicações de emergência. Nenhum destes tipos têm qualquer desejo de explorar o radioamadorismo além de sonhar com algum tipo de desastre no qual usam seu HT BaoFeng de 100 reais para salvar o mundo. 

Diante disto, o que os radioamadores podem fazer? Um caminho fácil seria buscar contato com a comunidade de hackers! 

Antes de mais nada, permita-me definir a palavra hacker, já que o termo hoje é carregado de significados negativos. Quando uso a palavra hacker, estou me referindo ao tipo de pessoa que deseja compreender como uma determinada tecnologia funciona e que explora todas as possibilidades que essa tecnologia tem a oferecer. 

São pessoas que cresceram desmontando aparelhos eletrônicos apenas para apreciar como eles funcionam, que ficavam acordadas até tarde da noite aprendendo a programar, e são aqueles de que o radioamadorismo precisa para impulsioná-lo ainda mais no futuro. 

Para atrair e reter hackers dentro do radioamadorismo, existem algumas coisas que precisamos fazer. 

1. Pare de dar ênfase apenas às comunicações de emergência


Todos os dias vejo nos fóruns da internet um monte de gente que, quando fala sobre radioamadorismo, só sabe enfocar o papel do radioamador nas comunicações de emergência. Claro que esta área tem um importante lugar dentro do hobby e da sociedade. Porém, há pouco interesse da comunidade hacker em transmitir mensagens sobre o tempo durante uma tempestade. O radioamadorismo oferece muito mais que isso. Fazemos um desserviço ao radioamadorismo quando descartamos outras áreas do hobby em função das comunicações de emergência. Por exemplo, os radioamadores hoje podem lançar seus próprios satélites de comunicação e utilizá-los o tempo todo. Radiocomunicação por satélite, a combinação de RF e VoIP como forma de comunicação mundial, o rádio definido por software  são só alguns temas que precisamos promover para a comunidade hacker. A propaganda é a alga do negócio. Especialmente quando identificamos corretamente nosso público.

2. Comece a promover o rádio definido por software


Há muito trabalho interessante sendo feito atualmente na comunidade de hackers utilizando RF. A maior parte deste trabalho está atualmente centrada em redes WiFi, LoRa e IoT. Não é difícil imaginar que alguém que tem interesse nessas tecnologias de comunicação não estaria aberto a rádios definidos por software. Eles só precisam ser apresentados a exemplos fáceis de entender e um pouco de incentivo para fazer as provas e serem licenciados. A palestra de Kelly Albrink na DerpCon de 2020, Ham Hacks: invadindo o mundo do rádio definido por software faz exatamente isso. Veja:


O Rádio Definido por Software está aqui e nós, como radioamadores, precisamos explorar todo o potencial que esta tecnologia tem a oferecer. Atualmente, transceptores totalmente baseados em SDR  estão disponíveis (Flex Radio, por exemplo), e os principais fabricantes de equipamentos de radioamador estão começando a produzir transceptores SDR híbridos. Além disso, temos SDRs bem em conta como o BladeRF 2.0, LimeSDR e o HackRF One, que facilitam a entrada no mundo do rádio definido por software é relativamente baixo. Esses SDRs de baixo custo são plataformas excelentes para experimentação dentro das bandas de VHF / UHF. O canal do YouTube Tech Minds tem alguns vídeos excelentes do que esses pequenos e versáteis rádios podem fazer.



3. Estimule a formação de comunidades que fomentem a discussão e exploração técnica


Minha experiência mostra que os radioclubes locais estão mais focados nas comunicações de emergência do que na parte técnica do radioamadorismo (sério, por que tanta obsessão com comunicações de emergência?). A maioria dos relatos que coletei sugere que isso é bem comum dentro dos Estados Unidos. Essa abordagem não gera um ambiente de aprendizagem e exploração. Qual o atrativo para um hacker  participar de discussões sobre, por exemplo, "como será o suporte às radiocomunicações durante o desfile anual de Quatro de Julho" [N. do T.: Dia da Independência dos EUA]

Precisamos criar o tipo de ambiente em que a discussão se concentra na tecnologia RF. Se não há espaço para isso dentro de sua comunidade/radioclube, então é hora de tentar os modos de voz digital. Isso mesmo, DStar, DMR, e o System Fusion oferecem formas de criar comunidades locais de interesse comum. O acesso a essas comunidades é tão fácil quanto conectar-se ao wifi de casa; talvez poderia falar de que alguns repetidores estão conectados a essas redes digitais e assim por diante. Hotspots! É isso que a garotada antenada está fazendo hoje em dia. Falando nisso, vejam o meu novo projeto de Hotspot.

Apresentando o Refletor YSF Radio Hackers


Em meus esforços para entender melhor o System Fusion e a rede WiresX e como eles se relacionam, criei um refletor YSF chamado Radio Hackers. Como você deve ter adivinhado, este é o estágio inicial da comunidade hacker que eu estou promovendo entre os radioamadores. Ainda há muito por fazer e eu agradeço qualquer ajuda. Algo simples e significativo que você pode fazer é avisar seus amigos e participar da discussão no refletor.

ID: 33360
Nome: Hackers de rádio
Painel: http://hackers.ysf.kj7nzl.net
Redes em ponte: TBD

Se alguém souber mais sobre como conectar redes por meio do XLX, entre em contato comigo. Eu adoraria conversar com você. Minhas informações de contato são fornecidas no meu site.

[PR7GA: um excelente material para apresentar temas como RF e SDR para não-radioamadores é este PDF que você pode baixar clicando aqui.]







Receba em primeira mão as notícias publicadas no QTC da ECRA!

Se você usa Whatsapp, acesse ZAP.ECRA.CLUB
Se você usa Telegram, acesse TELEGRAM.ECRA.CLUB
Ou siga o QTC da ECRA no Twitter: TWITTER.COM/QTCECRA

1 Comentários

  1. Gosto do radioamadorismo. Fui Classe B há uns 40 anos. Dessa época para cá, parece que a atividade está desaparecendo aos poucos. Naquele tempo via-se antenas a rodo nos telhados da cidade; hoje em dia são muito raras. Comunicações de emergência? Pra quê alguém vai manter uma estação caríssima se um simples celular fornece comunicação instantânea? Com meu último rádio lembro-me de varrer frequências que antes eram inundadas de operadores, para ouvir apenas estática. É uma pena.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem