Por Alisson, PR7GA

O radioamadorismo normalmente presta grande ajuda em emergências, porém muitos trabalham em prol da sociedade também quando estão longe de suas estações. Este é o caso do Dr. Scott Wright, K0MD, que é médico cardiologista na prestigiada Mayo Clinic em Rochester, MN. Juntamente com o também radioamador Dr. Peter Marx, AB3XC, que trabalha como diretor na FDA, o órgão regulatório da área de remédios e alimentos dos EUA, ambos estão envolvidos numa pesquisa que tem grande potencial de salvar vidas em meio à pandemia da COVID-19, o tratamento com plasma convalescente. Esta é a única terapia baseada em anticorpos disponível atualmente para estes pacientes.

Dr. Scott Wright, K0MD

Dr. Peter Marx, AB3XC

A pesquisa na qual os dois colegas radioamadores estão trabalhando é um projeto onde o governo dos EUA e a Clínica Mayo colaboram no acesso ao plasma convalescente para pacientes nos Estados Unidos que estão hospitalizados com COVID-19. Mais informações podem ser obtidas no site oficial do projeto: www.uscovidplasma.org.

O estudo começou no início de abril e tem a participação de outros proeminentes médicos e instituições, Já foram publicados estudos com 5.000 e 20.000 pacientes e segue em ritmo acelerado, já que estudos similares costumam levar de alguns meses a um ano para chegar a estes resultados. Dr. Wright acrescentou que a FDA "fará um anúncio em uma semana ou menos sobre os benefícios do plasma convalescente. Estamos trabalhando em uma terceira publicação agora para submeter a uma importante revista médica internacional para publicação, versando sobre o uso de plasma convalescente para redução da mortalidade em COVID-19".

Nosso colega radioamador acrescentou: "Começamos em menos de uma semana. A maioria dos estudos recruta 2500-5000 pacientes. Recrutamos mais de 30.000 pacientes em 10 semanas, superando todas as expectativas. Temos cooperação de hospitais em todos os 50 estados e territórios dos EUA e mais de 8000 cientistas médicos que trabalham conosco como pesquisadores em seus hospitais. Também ajudamos a gerenciar o início da coleta de plasma convalescente pelas grandes organizações de sangue como a Cruz Vermelha Americana e outras, ajudando a conectar estrategicamente grupos de doadores e pessoas dispostas a doar com os centros de coleta de sangue".

Como radioamador, o Dr. Wright destaca que o código de ética do radioamadorismo, juntamente com seu dever como médico o impelem a dar o seu melhor, juntamente com o colega Dr. Marks da FDA. Ele considera o estudo bastante promissor para salvar vidas em meio à esta pandemia. Em Agosto, ele estará falando sobre o assunto numa conferência de radioamadores nos EUA chamada QSO Today Ham Radio Expo, destacando inclusive como o radioamadorismo o ajudou a assumir um papel de liderança nesse importante programa médico em tempo recorde, exatamente como acontece na maioria das emergências, mas com a diferença que agora a escala é muito maior.

Veja abaixo uma entrevista que o Dr. Wright, K0MD deu ao famoso Bob Heil, K9EID, aonde ele fala sobre a pesquisa e o quanto ela é promissora:



A TERAPIA DO PLASMA CONVALESCENTE NO BRASIL 


Segundo Nota Técnica n° 21/2020-CGSH/DAET/SAES/MS é permitido no Brasil a coleta e e transfusão de plasma de convalescentes para uso experimental no tratamento de pacientes com COVID-19. A transfusão de plasma convalescente é considerada um tratamento experimental, pois os estudos clínicos foram iniciados, mas ainda não foram concluídos. Sabemos que existem evidências de que o plasma convalescente ajudou pacientes com outras doenças, mas médicos e pesquisadores não saberão quão eficaz será o plasma convalescente no tratamento de pacientes com COVID-19 até que mais estudos sejam concluídos.

Enquanto as opções para o tratamento da COVID-19 estão evoluindo, o plasma convalescente pode ser considerado e pode ajudar alguns pacientes com doença moderada ou grave.

Terapia antiga

A coleta e transfusão de plasma convalescente como tratamento foi usada pela primeira vez na década de 1890 e ajudou a reduzir a gravidade de vários surtos de doenças infecciosas antes do desenvolvimento da terapia antimicrobiana na década de 1940 e na pandemia da gripe espanhola em 1918.

No início do século 20, o tratamento com plasma convalescente foi usado durante surtos de várias doenças infecciosas, incluindo sarampo, caxumba e gripe. Mais recentemente, foi usado durante a pandemia de gripe H1N1 em 2009 e novamente em 2013 durante o surto de Ebola na África Ocidental.



Receba em primeira mão as notícias publicadas no QTC da ECRA!

Se você usa Whatsapp, acesse ZAP.ECRA.CLUB
Se você usa Telegram, acesse TELEGRAM.ECRA.CLUB
Ou siga o QTC da ECRA no Twitter: TWITTER.COM/QTCECRA

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Siga o QTC da ECRA no Instagram

Clique aqui para seguir o QTC da ECRA no Instagram