Por Alisson, PR7GA

A proposta francesa de expulsar o radioamadorismo de metade da banda de 2 metros tem feito bastante barulho. Nesta segunda, 01/07, a DARC, associação de radioamadores da Alemanha, publicou em seu site um longo texto contendo uma explicação bem minuciosa e sua posição a respeito desta matéria. Com a ajuda do Tradutor Google (!) eis abaixo uma versão em português revisada do documento original.


_______________


DARC 

Declaração sobre o problema atual da faixa de 2 metros


Na busca por um espaço no espectro de frequências para comunicação de dados comerciais entre aeronaves e estações terrestres (serviço móvel aeronáutico ou AMS), a banda de 2m está ameaçada de ser inclusa como uma banda potencialmente adequada nas investigações para uma nova alocação do serviço móvel aeronáutico AMS.  

No presente momento, trata-se "apenas" de um pedido da França ao grupo de trabalho preparatório  da CEPT (CPG19, ou Grupo de Preparação para a Conferência, e PTA, Project Team A, um subgrupo do CPG19) para ser levado em outubro de 2019 na Conferência Mundial de Radiocomunicações (WRC-19) em Sharm El-Sheikh, Egito. No entanto, se este pedido for aceito da forma como se encontra na próxima sessão do CPG19 em agosto em Ancara, havendo apoio suficiente dos 48 Estados membros da CEPT, ele teria uma boa chance de estar na agenda da próxima reunião da WRC, em 2023.

Nos quatro anos que antecedem a WRC-23, as condições de compatibilidade de rádio para uma alocação adicional de AMS na faixa entre 144 MHz e 22,2 GHz seriam então examinadas em detalhes nos grupos de estudo da ITU-R. Os resultados de todas essas investigações estariam nos relatórios e recomendações da UIT-R, os quais devem ser discutidos e aprovados por consenso entre os 193 países membros da UIT. Estes documentos, juntamente com as avaliações políticas, levariam a uma decisão na WRC-23 sobre se ou como os Regulamentos de Rádio da UIT serão alterados nas faixas de frequências apropriadas.

Ao longo de tudo isso, a IARU, auxiliada por especialistas em regulamentação das suas federações-membro (DARC, RSGB, etc.), procurará influenciar as decisões deste processo para preservar plenamente a alocação atual da Banda de 2m. O custo correspondente deste trabalho será bancado proporcionalmente por meio das taxas que cada Associação Nacional transfere para a IARU.

Agora, algo para acalmar os ânimos: como sabemos, nossos dois serviços de rádio (serviço amador e amador por satélite) têm atribuição primária na banda de 2 metros. Como acontece com qualquer um dos mais de 40 serviços de rádio definidos nos Regulamentos de Rádio da UIT, essa atribuição principal garante direitos especiais, livre de interferências, à sua operação.

No entanto, não há garantia de que esses direitos sejam eternos! Cada WRC é uma conferência independente dos países membros da UIT, na qual são feitos acordos internacionais que estão no mesmo nível de acordos entre nações. Por exemplo, a nova versão do Regulamento de Radiocomunicações da UIT a ser adotada na WRC-19 por consenso entre os 193 estados membros substituirá a versão atual, de 2016, e todas as anteriores. A administração de cada país membro concorda formalmente com a nova versão adotada no final de uma WRC e, no âmbito de seu processo legislativo interno, inicia a sua adoção total ou parcial.

O que a IARU está fazendo agora (DARC, RSGB, NRRL etc...)? E o que cada radioamador pode fazer para manter a nossa banda de 2m fora da lista enquanto a WRC-19 decide a agenda da próxima reunião da WRC-23 em outubro / novembro?

A IARU já está trabalhando duro para atingir este objetivo até agosto. Neste mês, o Grupo de Preparação de Conferências (CPG) da CEPT reunir-se-á na Turquia como o órgão de decisão final antes da WRC-19. Em última análise, precisamos saber quantas administrações da CEPT (48) estarão a nosso favor, decidindo não incluir a faixa de 144-146 MHz na proposta francesa antes de se tornar uma proposta comum da CEPT. para isso acontecer, o critério é: Pelo menos dez países da CEPT devem ser favoráveis, e não mais do que seis países contra.

Nesse ponto, no sentido mais amplo, todos os radioamadores são necessários. E é especialmente importante que o radioamadorismo tenha uma só voz. Iniciativas individuais, possivelmente com "ligações diretas" para Berlim e / ou Bruxelas, não ajudam. Pelo contrário, podem maciçamente prejudicar nossa causa porque podem tirar o poder de uma abordagem mais sistemática.

O que todos nós podemos fazer é ter certeza de que na faixa de 2 metros, assim como nas demais bandas, o radioamadorismo seja percebido como um importante elemento social que cumpre adequadamente com seu dever estatutário (Regulamento das Radiocomunicações da UIT, artigo 25 e AFuG [legislação alemã sobre radioamadorismo. N do T.]). O conteúdo e a forma com que os radioamadores operam deve ser determinada por competência técnica e operacional, enfatizar a educação e o treinamento de adolescentes e adultos, bem como incluir idéias e soluções técnicas (WSJT, SDR-TRX, OSCAR, DATV, etc.). Por último, mas não menos importante, as comunicações de emergência devem ser enfatizadas como a única plataforma de comunicação em caso de falha das telecomunicações públicas.

Sendo assim, devemos apoiar as administrações da CEPT, que são fundamentalmente a favor do radioamadorismo por estas e outras razões. É nossa responsabilidade demonstrar esse apoio em nossos QSOs em todas as bandas diariamente. Em última análise, ninguém sozinho decidirá como proceder com a faixa de 2 metros: o fator decisivo é o clima geral de todas as administrações.

Sempre que nos dividimos na luta pelo que é mais importante, perdemos força nessa luta desigual. Apenas alguns dias atrás, pudemos ouvir novamente o que certos investidores valorizam: "1 MHz de largura de banda". Nosso "capital" é a contribuição social que o radioamadorismo dá no uso e transferência de conhecimento técnico, além do entusiasmo pela tecnologia de rádio em todo o espectro de frequências atualmente utilizável (137 kHz a 250 GHz). Até o momento, isto garantiu certos privilégios que outros serviços de rádio só nos invejam.

Na última sessão do PTA, entre 17 e 21 de junho de 2019, em Praga, esta proposta francesa foi discutida pela primeira vez. Por conta da sua presença e participação no Grupo Preparatório Nacional da WRC, a Unidade de Gestão de Frequências da DARC esteve durante anos envolvida na definição da posição da Alemanha a respeito de propostas que afetam as faixas de radioamador. A DARC foi, portanto, solicitada a emitir um parecer sobre a proposta francesa (incluindo outras faixas de frequências além de 144-146 MHz para atribuição para o AMS) pela BNetzA [a Anatel da Alemanha. N. do T.] antes da reunião do PTA.

Os argumentos e preocupações mencionados na nossa declaração, juntamente com outras objeções formais da BNetzA, levaram à conclusão de que apenas o representante alemão se opôs à inclusão da faixa de frequências de 144-146 MHz nos estudos. Como o requerimento francês foi apresentado pouco antes da reunião, muitas administrações de telecomunicações não tiveram como discutir internamente para tomar uma posição. Na próxima reunião do CPG em Ancara, em 17 de agosto, precisamos de mais cinco administrações de telecomunicações (seis no total), que se oponham ao pedido da França. No HAM RADIO já houve uma reunião de todas as associações membros da IARU. Uma estratégia comum foi acordada.

Christian Entsfellner, DL3MBG
Membro do Conselho - DARC
Presidente da RTA 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Siga o QTC da ECRA no Instagram

Clique aqui para seguir o QTC da ECRA no Instagram