No último domingo, dia 09/06/2019, um feito inédito foi alcançado: sinais da banda de 2m, transmitidos a partir da estação D41CV, na ilha de Cabo Verde, leste da África, foram captadas a cerca de 5.100 quilômetros de distância na Áustria, pelo colega Norbert OE3NFC. Isso foi possível pela conjugação de dois tipos de propagação que favorecem comunicações em VHF a  distâncias muitíssimo superiores às comuns: as chamadas "sporadic E" e troposférico. 

A primeira acontece quando nuvens de gás ionizado refletem de volta à Terra sinais de VHF que iriam se perder no espaço. Este evento, como o próprio nome diz, é esporádico, mas uma única nuvem dessas pode ser capaz de proporcionar comunicações em VHF a milhares de quilômetros. 

Já a troposférica ocorre quando certos fenômenos do clima ocorrem, como frentes frias em deslocamento formam uma camada que é capaz de "dobrar" os sinais de VHF, fazendo com que retornem à terra e sejam captados. 

Com a junção dos dois fenômenos, foi possível ao colega austríaco receber os sinais de Cabo Verde. Segundo relatos de estações italianas, o austríaco tentou fazer contado, mas Cabo Verde não respondeu. Porém muitos colegas italianos e espanhóis conseguiram. Eles relataram que a condição superespecial de propagação permaneceu durante cerca de uma hora, quando finalmente o sinal de Cabo Verde desapareceu.

Fontes: 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Siga o QTC da ECRA no Instagram

Clique aqui para seguir o QTC da ECRA no Instagram