Texto original por Eduardo Mota. Adaptado por Alisson Teles Cavalcanti, PR7GA


É do conhecimento geral que olhar para uma tela de celular ou tablet por longos períodos de tempo tem implicações na nossa saúde, principalmente no que se refere à visão mas também noutros aspetos fisiológicos como o sono. Assim, a tecnologia tem uma influência negativa na visão. Mas quais serão realmente os efeitos a nível ocular provocados pelas telas dos dispositivos?



Devido à utilização cada vez mais intensiva da tecnologia, estima-se que em 2050 metade da população mundial terá problemas de visão. Apesar desta terrível previsão, existem hoje ferramentas para prevenir problemas oculares relacionados à luz vinda das telas. Uma das mais comuns é a função de filtrar a luz azul de modo a não prejudicar o sono do usuário.



Não obstante, novos estudos revelam que as telas não afetam apenas o cansaço da vista mas também degradam a retina, podendo resultar em consequências irreversíveis!



Um estudo realizado pela Universidade de Toledo, localizada em Ohio, Estados Unidos da América, demonstrou que a absorção de radiação luminosa na região do azul – com comprimentos de onda mais curtos – desencadeia uma reação química que liberta toxinas nas células fotorreceptoras, o que acaba matando-as.



Com esta degradação nas células fotorrecetoras e na retina, a pessoa sofrerá de degeneração macular num processo mais precoce que o habitual. Degeneração macular é a condição médica que, frequentemente, provoca perda gradual da visão com a idade. Esta degeneração deixa a visão turva e o aparecimento de “pontos cegos” que poderão crescer com a progressão da doença. Em casos extremos de degeneração macular, ela pode levar à cegueira.



Esta doença é a causa mais comum de perda de visão a partir dos 50 anos e atualmente, devido à exposição cada vez mais maior a telas LCD, vem sendo registrados aumentos no números de casos, especialmente entre pessoas mais jovens.



Um hábito comum e potencialmente perigoso é utilizar os seus equipamentos em ambientes escuros e pouco iluminados, resultando na dilatação da pupila que permitirá que mais luz de tom azul entre no glóbulo ocular em direção à retina. Como já foi dito, tal ação desencadeará a morte das células fotorreceptoras.



Os pesquisadores alertam para que os usuários tenham prudência quando estiverem diante de telas LCD. Evitar longos período de exposição, manter as telas limpas e em locais bem iluminados são boas práticas que com certeza ajudarão a conservar a sua visão.



Além destas recomendações, a maioria dos celulares e dispositivos portáteis conta com a função de filtrar a luz azul, e ativando esta função, como foi dito, tanto melhorará o sono quanto evitará estes problemas graves recém descobertos. Fique de olho!

Fonte da matéria original: https://pplware.sapo.pt/informacao/ecra-dispositivo-degrada-visao/


Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Siga o QTC da ECRA no Instagram

Clique aqui para seguir o QTC da ECRA no Instagram